Escolhas e destino

Estávamos todos aqui em casa. Todos me encarando como se eu tivesse feito algo errado. Não que eu não tinha feito. Mas é que eles não entendiam a situação. Após minha explosão de nervos quando meu namorado terminou comigo. Mas pudera ele contou na frente de todos os meus amigos que tinha me traído. Será que eu estava totalmente errada?

Eu só queria entender. Era para ser só uma festa comum, com alguma música, amigos e bons aperitivos. Todos estavam felizes até lá. Chegaram mais cedo, cantamos músicas mas eu não podia adivinhar o que vinha acontecer.

De repente eu disse algo do tipo: – Vamos falar de verdades agora, alguém tem algo para dizer? Até aí todos diziam coisas comuns do tipo: Não viajei quando disse que tinha ido, Não gostei do presente que minha mãe me deu de natal e disse que tinha adorado. Daí, o Carlos começou dizendo que precisava contar algo. Pensei que pudesse ser algo normal, do tipo não gostei do que você disse, mas não era mais do que eu esperava.

– Eu estou com outra pessoa, eu não gosto mais de você. Primeiro fiquei em choque, e minhas amigas seguravam meu braço, diziam para me responder, dizer algo. Porque estremeci, senti meu sangue sumir, perdi o chão. De uma hora para outra eu estava gritando com todos na minha casa, sem ter controle sobre o que eu falava. Chorava e gritava. Eu não conseguia entender nada, no dia anterior, ele disse que precisava mesmo conversar. Mas precisava ser naquele momento. Eu não sabia se eu estava mais envergonhada ou com raiva. Eu só queria sumir dali. E foi o que eu fiz.

Saí correndo e deixei tudo para trás. Ninguém foi atrás o que me deixou melhor. Fui o mais longe que consegui correr. Eu não conseguia parar de pensar. Eu sabia que tinha um pouco de tudo, tristeza, raiva, drama, imaturidade.

Mas sempre fui assim. Intensa. Eu confiava mais que tudo. Eu entreguei tudo que eu tinha de melhor. Acreditava que estava sendo recíproco. Eu disse que nunca mais alguém ia me ver chorar por mais ninguém.

Os anos foram passando, fiquei cada vez mais dura. Não respondia e-mails, não telefonava para ninguém, minha aparência mudou da água para o vinho. Eu só pensava em trabalhar. Eu não digeri nada bem. Passei noites e noites acordada sem sair nenhuma lágrima, mas meu coração chorava.

Eu queria me abrir. Mas eu nem tinha amigos mais, porque eu os afastei totalmente da minha vida. Minha família sofria juntamente comigo. Aquele ex-namorado já não estava com aquela mulher já fazia tempo. E eu estava cada vez mais infeliz

Foi quando eu decidi que não queria ser essa pessoa que estava me tornando. Eu queria o melhor para mim. Saí do trabalho pedi demissão. Fui estudar fora do país. E em uma de minhas viagens e eu encontrei alguém.

Alguém que eu não conseguia acreditar que existia. Pôs todas as minhas neuras para fora de mim. Disse-me que eu merecia ter alguém que me amasse e que seria o seu plano de vida me fazer feliz dia a dia para o resto das nossas vidas

Como a vida não é sempre como quer que seja. Depois de um tempo eu não queria mas aquela pessoa. Eu continuei com as minhas neuras e ele sem entender nada ainda me apoiando. Eu não tinha mudado nada. Eu achei que tinha conseguido uma nova postura mas só foi um momento que eu quisesse algo diferente.

Simulei várias brigas para que a gente terminasse. Disse coisas horríveis das quais não me orgulho. Mas também não retirei o que eu disse. Simplesmente ele foi me deixando aos poucos e me vi novamente sozinha.

E aqui estou novamente. Louca atrás de trabalho. Em um país distante. Sem amor. Eu digo até amor próprio. Sem amizades. Porque eu fiz questão de distanciar todos da minha vida.

No fundo eu culpo o que meu antigo namorado me fez passar. Mas eu me culpo mais ainda por ter feito de vítima esse tempo todo. Eu sabia que se caísse nessa eu poderia não voltar mais. Parece um caminho sem volta. Você se condiciona a ser daquele jeito.

Tempos depois eu encontrei um antigo amigo do trabalho, implorei por um trabalho e ele me conseguiu um. Estamos nos dando bem e acho que até pode virar algo. Não vou mentir para você, eu não sei se vou conseguir mudar. Eu nasci para ser uma pessoa sozinha. E aceitei isso.

 

——————————————————————————————————————————————————————–

Esse foi o conto que inscrevi no concurso da Fnac, infelizmente não ganhei 😦 Mas valeu muito a participação! 

Espero que gostem! Me contem aqui o que acharam! 

Beijinhos ❤ 

Anúncios

Obrigada pelo comentário ♥

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s